Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal

Santa Cruz

Notícias

Informações sobre o canal farma

 

  • AIDS ainda é um assunto sério

    ​AIDS ainda é um assunto sério

    Saiba mais sobre os autotestes de HIV e oriente seus clientes 

    Dados da Unaids mostram que o índice de infecção por HIV aumentou 21% entre 2010 e 2018. O Ministério da Saúde também aponta que, entre 2007 e 2017, a notificação de casos entre pessoas com 15 a 24 anos aumentou aproximadamente 700%. Tais números só corroboram o quanto a AIDS ainda é um problema sério. 

    Cínthia Ribeiro, diretora de marketing OTC da Genomma Lab, explica que, quase 40 anos depois da identificação do HIV e dos primeiros casos de AIDS, diversos fatores vêm colaborando para que o tema tenha menor repercussão, dificultando a conscientização sobre a prevenção e diagnóstico. 

    Um deles é o fato dos novos medicamentos antirretrovirais permitirem que os acometidos possam ter uma vida normal e, portanto, ficarem “invisíveis”. Apesar de ser uma boa notícia, favorece o esquecimento da doença. Outro ponto é a falta de grandes novidades sobre o assunto, que acaba recebendo pouca atenção da imprensa e dos influenciadores digitais.

    “Além disso, as novas gerações não viveram os momentos mais difíceis da epidemia e se colocam em situações de risco com maior frequência o que resulta em falta de testagem e detecção contribuindo para que a infecção se espalhe. Assim, o incentivo à prevenção e a descoberta precoce são fundamentais para combater a transmissão”, reforça Cínthia. 

    Papel do varejo farmacêutico no combate ao HIV

    Para a diretora de marketing OTC da Genomma Lab, a farmácia tem um papel primordial no incentivo à detecção precoce do HIV.  O medo, a vergonha e o preconceito contribuem para que as pessoas evitem se testar, mas, quanto antes houver a descoberta, mais rapidamente podem ter uma vida normal. Nesse sentido, Cínthia recomenda o treinamento das equipes de atendimento do PDV para que tratem o tema com naturalidade.

    A professora de Farmácia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Teresa Gomes de Oliveira, complementa mostrando que o varejo farmacêutico é capaz de auxiliar ainda, de modo bastante eficiente, na transmissão de informações e conscientização da população sobre a doença, formas de contágio e de proteção, ações que podem ser feitas por intermédio de panfletos informativos ou campanhas educativas.

    Por que ter os autotestes no mix da farmácia?

    Segundo Teresa, os autotestes identificam a presença de anticorpos contra o HIV, apresentando o resultado entre 10 a 20 minutos. A professora ainda ressalta que os produtos funcionam como método de triagem e existe sempre a possibilidade de falsos positivos. Por outro lado, a produção e detecção desses anticorpos demora mais tempo quando comparado com outras infecções, o que normalmente é desconhecido pelo paciente, levando-o a ter um falso resultado negativo, dando uma errônea impressão de que não está contaminado.

    “Dessa maneira, é essencial comunicar ao público que, em caso de resultado positivo, para procurar uma Unidade de Saúde ou médico para fazer a confirmação”, alerta a professora.

    A diretora de marketing OTC Genomma Lab também salienta que tão importante quanto passar informações sobre o produto é a forma que os atendentes devem tratar esses clientes. É fundamental eliminar qualquer resquício de estigma ou preconceito, abordando o tema com naturalidade e com base em dados relevantes, pois fazer o teste é um passo imprescindível para preservar a saúde. 

    Além disso, Cínthia recomenda deixá-los visíveis e acessíveis nas gôndolas, assim como os medidores de glicose e autotestes de gravidez, sem preconceito. O posicionamento sugerido é ter dupla exposição: na categoria de preservativos e no segmento de autotestes.

    “OraQuick, da Genomma Lab, é um meio rápido, seguro e preciso, sendo usado por médicos e profissionais em serviços de saúde no mundo inteiro. O consumidor pode utilizá-lo com total privacidade, já que pode ser feito em qualquer lugar, inclusive em casa. Sua aplicação é muito simples, sem dor e sem necessidade de agulhas ou coleta de sangue. Com 99% de precisão, o resultado fica pronto em apenas 20 minutos”, adiciona.

    A importância dos autotestes

    Cínthia conclui comentando que, em breve, a Genomma Lab lançará uma campanha para incentivar a detecção de forma positiva, sem preconceitos. O conceito é mostrar que “basta abrir a boca” para a identificação rápida e segura com OraQuick e, também, falar sobre o HIV sem preconceitos. 

    “Informação, prevenção e diagnóstico são os melhores caminhos e acreditamos que muitas pessoas se sentirão à vontade para fazer o teste de maneira privada e confortável. Isso certamente vai contribuir para o aumento da descoberta de casos de HIV/AIDS e consequente diminuição da transmissão do vírus”. ​

​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​
Página Inicial © Copyright 2008 - 2017 SantaCruz | Produzido por Addtech